Festival de Dança de Joinville

De Wikidanca

Ir para: navegação, pesquisa

Autor: Massuel dos Reis Bernardi

O Festival de Dança de Joinville é um festival de dança que ocorre todos os anos no mês de julho na cidade de Joinville, Santa Catarina.


Colinas.jpg


A missão do festival é de remover a dança como expressão artística e contribuir para a difusão cultural e o desenvolvimento regional.

A visão é a de valorizar a apreciação, a criação, a educação e a prática da dança e estimular as novas linguagens.

Dentro ou fora do palco, o Festival de Dança de Joinville é um evento consolidado pela tradição, pelo profissionalismo e pela pluralidade dos participantes. Numa trajetória que em 2012 completou 30 anos, milhares de bailarinos e amantes da dança chegam a Joinville vindos de todo o país e do exterior com diferentes objetivos: desde apresentar-se nos espaços do festival até interesses na atividade didática. O Festival engloba a realização de cursos e oficinas com fins de aperfeiçoamento profissional, workshops gratuitos para os coreógrafos inscritos no evento, seminários de dança, projetos comunitários, palestras, debates, entre outras ações. Trazer para as noites especiais - Abertura e Gala - espetáculos que sejam montagens completas de balés consagrados ou peças de destaque de outros gêneros de dança e trabalhos de companhias de renome é também uma preocupação da Curadoria Artística e da organização do evento. Mantido com o apoio de patrocinadores e promovido pelo Instituto Festival de Dança de Joinville, o evento reúne mais de seis mil participantes diretos e atrai público superior a 200 mil pessoas numa média de 170 horas de espetáculos, o que inclusive lhe valeu a citação como o Maior Festival de Dança do Mundo no Guinness Book de 2005.

O Centreventos Cau Hansen e o Teatro Juarez Machado pode ser visitado gratuitamente a quem vem ao Festival de Dança de Joinville. Visitas guiadas por toda a estrutura mostram o trabalho realizado por trás das cortinas, camarins, coxias e todo o aparato técnico, físico e humano que faz do Festival de Dança de Joinville o maior do mundo.

Os participantes do Festival de Dança que são de outras cidades têm a possibilidade de ficar em alojamentos durante a sua estada em Joinville. Esses alojamentos estão disponíveis para os participantes da Mostra Competitiva, Meia Ponta, Palcos Abertos, Seminários, Cursos e Oficinas. A compra desse alojamento pode ser em grupo ou individual. Para a compra em grupo, apenas o responsável pode efetuar a compra, selecionando individualmente cada integrante e o período da sua permanência no Festival. Já a compra individual é feita somente para os cursistas e seminaristas. O Festival de Dança de Joinville seleciona cada escola que fará parte dos Alojamentos de uma maneira criteriosa, com uma estrutura adequada para receber os participantes.


Tabela de conteúdo

História do Festival

Foi criado em 1983 pelo professor de balé Carlos Tafur e a artista plástica Albertina Tuma e atualmente é considerado, pelo Livro de Recordes Guinness, o maior evento de dança no mundo em número de participantes - cerca de 4.500 bailarinos. Consagrados em 30 anos de edições ininterruptas (2012), o Festival de Dança de Joinville é referência nacional e internacional para quem vivencia a dança. Por seu palco passaram jovens bailarinos e coreógrafos, que hoje se destacam profissionalmente. Desde sua primeira edição, em 1983, o evento somente cresceu, tornando-se um grande guarda-chuva, com eventos e atividades simultâneas, da realização de mostras até cursos, oficinas e atividades para a discussão de temas relacionados à dança, proporcionando um rico intercâmbio entre os participantes que vêm de todos os cantos do Brasil e do exterior. Para acomodar esta programação, o festival passou dos cinco dias da primeira edição para os atuais onze, e hoje é considerado pelo Guinness Book o maior festival de dança do mundo.


Joinville

Joinville2.JPG


Joinville é um município localizado na região nordeste do estado de Santa Catarina, no Brasil. É a mais populosa cidade do estado, à frente da capital, Florianópolis, distante 180km. Possui área de mais de mil quilômetros quadrados e população em torno de 527 mil habitantes.

A cidade possui um dos mais altos índices de desenvolvimento humano (0,857) entre os municípios brasileiros, ocupando a 13ª posição nacional e a quarta entre os municípios catarinenses. Joinville ostenta os títulos de "Manchester Catarinense", "Cidade das Flores", "Cidade dos Príncipes", "Cidade das Bicicletas" e "Cidade da Dança". É ainda, conhecida por sediar o Festival de Dança de Joinville, a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil e o Joinville Esporte Clube.


A Cultura

Por seus atributos culturais, Joinville recebeu diversos títulos ao longo das décadas de 1940, 60 e 80, tornando-se conhecida como "Cidade dos Príncipes", "Cidade das Flores", "Cidade das Bicicletas", "Manchester Catarinense", e "Cidade da Dança".

Inúmeros eventos culturais são marcantes na cidade. A Festa das Flores acontece há 72 anos, a Coletiva de Artistas de Joinville acontece há quase 40 anos ininterruptos. Recentemente, a cidade passou a sediar também um festival de música instrumental, o Joinville Jazz Festival. E, é claro, O Festival de Dança.

Uma filial da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, a única fora da Rússia, é destaque na formação de bailarinos e bailarinas, oferecendo formação de qualidade a estudantes carentes.

A produção artística acontece em centros culturais, museus, casa da cultura, centro de eventos, mercado público, teatros, na Cidadela Cultural Antarctica (antiga fábrica de cervejas), e também em escolas, universidades, associações de moradores, igrejas e praças públicas.

A Joinville contemporânea se caracteriza por ser rica na diversidade cultural de seu povo. O aspecto pluralista permite as mais diferentes expressões, das mais diversas culturas e etnias formadoras, da dança clássica ao hip hop, dos corais étnicos à música lírica, da música clássica ao chorinho, do pop rock à música sertaneja e gauchesca. As tradições portuguesas, como o boi-de-mamão e o terno-de-reis, são manifestações autênticas em vários bairros, como Morro do Amaral, por exemplo, que antes da fundação da cidade já possuía moradores descendentes de portugueses, quando as áreas pertenciam ao município de São Francisco do Sul. A cidade possui também a maior população de afrodescendentes em Santa Catarina: 17,4 por cento da população é de etnia negra,10 migrados principalmente a partir da década de 1960. O carnaval de rua, aberto a todos, foi resgatado em 2005.


Incentivos

O festival acontece graças a algumas empresas situadas em Joinville que têm colaborado com a difusão da cultura local, patrocinando grandes eventos e mantendo em suas próprias estruturas, grupos de dança, coral, teatro e ações comunitárias voltadas para a manutenção das tradições. Além de uma lei municipal de incentivo à cultura, com dois mecanismos de apoio desde 2006.


Organização do Festival

O Festival de Dança, com o objetivo de se tornar uma Organização Social, criou seu Conselho Administrativo e Fiscal. A nova estrutura começou a vigorar em março de 2007 e conta com representantes do poder público, representantes da comunidade e de entidades representativas da sociedade civil organizada, como Associação Empresarial de Joinville (Acij), Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) e Conselho Municipal de Cultura, além da nova Diretoria responsável pela execução do Festival.

Há a Noite de Abertura, quando o festival convida companhias profissionais (do Brasil ou exterior) para abrilhantar o evento. A Noite de gala que reúne convidados especiais. E a Noite dos Campeões é o momento dos melhores do Festival reapresentarem.


Raca.jpg


Temas do Festival

O festival possui uma canção, e um tema musical exclusivo que podem ser conferidos na página do festival http://www.festivaldedanca.com.br/2013/conheca-festival-tema-festival.php


Mostra Competitiva

A Mostra Competitiva é o momento em que os grupos, vindos de todo o Brasil e do exterior, apresentam seus trabalhos em oito noites. A premiação da competição se dá em sete gêneros: Balé Clássico de Repertório, Balé Clássico, Dança Contemporânea, Sapateado, Jazz, Danças Urbanas e Danças Populares.

Quem decide quais grupos sobem ao palco do Centreventos são os curadores artísticos do Festival de Dança. Depois, durante o evento, jurados renomados escolhem os melhores em cada gênero e subgênero. Os primeiros colocados sobem ao palco mais uma vez na Noite dos Campeões para dançar a vitória colhida após tantos meses de dedicação.

Os jurados também honram destaques com a premiação especial: troféu de Melhor Grupo, e medalhas de ouro para Prêmio Revelação, Melhor Bailarino e Melhor Bailarina. Ao total, são R$ 36 mil em dinheiro para esses agraciados. O Coreógrafo Revelação recebe um certificado de classificação e ganha ainda uma viagem de uma semana para o exterior, onde deverá participar de evento relacionado ao gênero de atuação do profissional escolhido.

As categorias de sênior podem ter no máximo 16 anos e Júnior entre 13 e 16 anos, sendo os conjuntos mínimos de 3 e no máximo de 45 integrantes.


Meia Ponta

Com o objetivo de estimular novos talentos, o Meia Ponta é uma mostra competitiva, que reúne bailarinos entre 10 e 12 anos, em três tardes, no Teatro Juarez Machado, anexo ao Centreventos Cau Hansen.

Os grupos se apresentam nos gêneros Balé Clássico de Repertório, Balé Clássico, Danças Populares, Sapateado, Jazz e Danças Urbanas. Os premiados em primeiro, segundo e terceiro lugares voltam ao palco na Tarde dos Campeões.

Entre os fatores avaliados no processo de seleção, dois deles recebem destaque no caso da mostra infantil: a adequação das peças escolhidas para os bailarinos, no caso do Balé Clássico de Repertório e o desenvolvimento adequado do tema proposto, no caso dos demais gêneros. Em ambos os casos, a técnica aplicada e o tema abordado precisam estar de acordo com a capacidade e idade dos pequenos bailarinos.


Palco Aberto

Instalados em espaços não convencionais, como praças, hospitais e shopping centers na área central e nos bairros da cidade, os Palcos Abertos propiciam aos moradores locais e visitantes, espetáculos gratuitos de qualidade. As coreografias são inscritas por grupos de todo o país e passam pela análise criteriosa da Curadoria Artística do Festival - o mesmo crivo a que são submetidos os candidatos à Mostra Competitiva e Meia Ponta.


Cursos e Oficinas

Uma ampla programação didático-pedagógica conduzida por professores especializados que são referência em dança no País e no exterior, o que reforça a natureza didática do Festival. Os cursos e oficinas são realizados em diversos locais de Joinville, com estrutura adequada para cada atividade programada. A cada edição o Festival de Dança oferece mais de 1.600 vagas cursos e oficinas para qualificar estudantes e aperfeiçoar profissionais nas suas mais diferentes áreas de atuação em dança.


Fp.jpg


Workshops coreográficos

Os Workshops Coreográficos oferecem a chance de aprimoramento e novas técnicas de produção de espetáculos com grandes nomes da dança nacional e internacional. São propostas elaboradas pelas companhias participantes da Mostra Contemporânea de Dança, sempre na manhã seguinte às apresentações. Para participar, basta escolher o workshop e se inscrever gratuitamente.


Seminários de Dança

Os seminários de dança são espaços de debates e discussões acerca de temas pré-escolhidos pelos responsáveis da curadoria do evento. Esse espaço tem a finalidade de abrir diálogos sobre a dança e o seu contexto na contemporaneidade, discutindo desdobramentos como ferramenta de criação, processos pedagógicos e mercados de trabalho na Dança.

A programação dos seminários ainda reúne homenagens, conferências dançadas, mesas temáticas, espetáculos, performances, apresentações de trabalhos científicos, exposição de pôsteres e lançamento de livros.

É um espaço valioso de encontro de estudantes, artistas, pesquisadores, educadores, profissionais de dança e de áreas afins, esperando discutir, debater e vivenciar diferentes abordagens.


Encontros das Ruas

Voltado para a cultura urbana durante o Festival, o Encontro das Ruas é uma grande confraternização entre os amantes da cultura Hip Hop. Batalhas de B. Boys, B. Girls, Hip Hop Freestyle, Locking, Popping, House Dance e MC’s aconteceram em forma de apresentações sem o caráter competitivo.


Rua da Dança

Com o propósito de reunir a comunidade em torno da arte e fazer as pessoas entrarem literalmente na dança, a Rua da Dança possui atividades realizadas na Estação da Memória, junto à Estação Ferroviária de Joinville, em um único dia. Professores e coreógrafos dão dicas e ensaiam alguns passos com quem passa pelo local. Totalmente gratuita, a programação da rua oferece um dia para divertir a família inteira e interagir com bailarinos.


Dança Comunidade

No intuito de mais uma vez discutir, debater e buscar alternativas para que a dança seja uma ferramenta de inclusão social e de fomento à educação de qualidade, o Dança Comunidade reúne profissionais envolvidos na dança com o viés da educação e em projetos sociais. O objetivo é a troca de ideias com os participantes em fóruns que buscam novas possibilidades para mudar a realidade de comunidades de todo o Brasil.


Mostra Contemporânea

Com o objetivo de mostrar o que está sendo criado na contemporaneidade na dança, a Mostra realça a diversidade de linguagens e perspectivas de criação e pesquisa. A programação inclui espetáculos inéditos ou não, e workshops gratuitos destinados a coreógrafos e bailarinos.


Blanche.jpg


Feira da Sapatilha

A Feira da Sapatilha é um espaço especializado em artigos para a dança. São mais de 1.500 metros quadrados com dezenas de estandes que vendem os mais variados itens para bailarinos, coreógrafos, diretores e amantes da dança em geral. No espaço, o visitante ainda pode fazer um lanche com uma gama de opções em alimentação e apreciar as apresentações no Palco Aberto montado no local.


Ver Também

Escola do Teatro Bolshoi no Brasil

Teatro Bolshoi


Referências

http://www.festivaldedanca.com.br/

http://www.escolabolshoi.com.br/

Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Ações
Navegação
Ferramentas
Visite-nos
Idana.net - Home